economia | Emporium – Business Travel
Potencial de economia com acordo diferenciado de uma cia aérea específica

Potencial de economia com acordo diferenciado de uma cia aérea específica

Com o aumento no número de viagens corporativas, empresas de todos os tipos buscam, constantemente, soluções para minimizar os custos com o deslocamento de seus profissionais. Mas como estreitar o relacionamento com as cias aéreas e obter tarifas diferenciadas? Sem uma política de viagens bem definida e um gerenciamento adequado, esses gastos podem ultrapassar o orçamento no fim do mês – principalmente com a instabilidade que permeia os valores das tarifas aéreas. Acompanhe as próximas páginas e saiba como uma agência de viagens corporativas pode auxiliar nesta questão! Boa leitura! #1 Acordo diferenciado? Devido ao know-how das agências de viagens corporativas e o forte relacionamento mantido com as cias aéreas, o poder de negociação nos valores das passagens aumenta. Esses acordos entre a agência e a companhia afetam, positivamente, a economia da empresa, já que os profissionais se empenham em identificar as melhores oportunidades, focando na otimização dos custos e ampliando as oportunidades de atuação do cliente. Agência + Companhia Aérea = + economia R$ #2 Como são feitos os acordos? Para as negociações com as companhias aéreas, a agência de viagens corporativas fará um mapeamento, destacando informações importantes a respeito do fluxo de viagens da empresa, como: Nº de viagens realizadas por mês Cia aérea que melhor atende às necessidades Trechos mais utilizados #3 Possibilidades de negociação São inúmeras as opções de acordos diferenciados entre a agência de viagens e a cia aérea. Uma delas é a troca de descontos em diversos destinos para uma promoção maior em trechos específicos. Por exemplo: O desconto da companhia para viagens em todo o Brasil é de 7%, mas as viagens mais frequentes...
Economia é essencial! Na viagem de negócios, o dinheiro também sai do bolso do executivo

Economia é essencial! Na viagem de negócios, o dinheiro também sai do bolso do executivo

Para que as viagens não se tornem um fardo na política de gestão das empresas, é possível incorporar algumas dicas básicas sem onerar o conforto dos executivos e a qualidade desses deslocamentos. A economista chefe do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) Marcela Kawauti falou sobre algumas regras essenciais que devem constar no planejamento das empresas para criar uma política de viagens bem estruturada: Planejamento é tudo! “O mais importante é que a empresa conscientize os seus executivos de que não é porque trata-se de uma viagem corporativa, que não há um limite em relação às despesas. Muitas vezes, o profissional encara o dinheiro de forma terceirizada, ou seja, como não sendo de sua posse e extrapola nos gastos. É necessário criar essa consciência coletiva: de que economizar é importante para manter as viagens dentro da corporação”, orienta. Definir uma meta Segundo Marcela, na prática, a empresa deve instituir uma meta monetária de despesas de viagens para os executivos. “É preciso deixar claro o orçamento-limite disponível para cada evento no decorrer da viagem ou um limite-médio por dia. Outra forma de incentivar a economia é criar algum tipo de premiação junto aos profissionais que atingirem à meta imposta, que pode ser um ingresso para um show legal ou um jantar bacana. Planejar com antecedência é fundamental para enxergar cada passo que a economia vai dar”,  explica. Tudo feito em cima da hora custa o dobro em viagens corporativas. Falta de pesquisa em relação à estadia e transporte, além de cancelamentos, geram transtornos e gastos desnecessários. Compra de passagens e reserva de hotel Com antecedência, é possível comprar passagens aéreas mais...